CBA

Saiba mais em:
cba.com.br

O mercado de alumínio enfrentou grandes desafios em 2019. A redução nos ritmos de crescimento e consumo global dos setores industrial e automotivo, menor crescimento da demanda na cadeia do alumínio e as tensões comerciais entre China e Estados Unidos impactaram a sustentação do preço do alumínio na London Metal Exchange (LME), que chegou a apresentar patamares inferiores a 2018. Essa dinâmica do mercado, juntamente com a lenta recuperação do mercado brasileiro, impactou os resultados da CBA, que apresentou queda de 13% no volume de vendas (351 mil toneladas), gerando uma receita líquida de R$ 5,3 bilhões e Ebitda ajustado de R$ 862 milhões – números estáveis em relação aos obtidos em 2018.

Apesar do cenário desafiador, a CBA consolidou os avanços da evolução cultural e os ganhos de eficiência com a maturidade da área de Gestão da Competitividade, que busca manter o espírito da jornada de transformação da companhia e também contribuiu para a mitigação dos impactos do preço da LME nos resultados no período. Tiveram continuidade os movimentos da jornada CBA 4.0, cujo objetivo é posicionar a empresa em patamares sempre mais competitivos, entendendo as necessidades e tendências tecnológicas de mercado e aplicando aquelas alinhadas à estratégia do negócio em curto, médio e longo prazos. Esse processo resultou em um mapeamento de oportunidades a serem priorizadas.

 

 

Alguns dos avanços já podem ser vistos em aplicação na companhia, como o uso de inteligência artificial, automação, sistemas analytics, treinamentos virtuais e soluções em logística. A CBA também avançou no estímulo à diversidade com a construção de um roadmap, cujas ações implementadas ao longo do ano puderam demonstrar o valor do tema para a evolução dos eixos de cultura – especialmente o das vertentes Trabalho em Equipe e Divergência Construtiva. Todas as ações focadas em pessoas levaram a empresa a compor o ranking das 150 Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil, publicado pela consultoria Great Place to Work (GPTW), que analisa práticas organizacionais pelo mundo.

Paralelamente, a CBA manteve o foco nos aspectos socioambientais de sua atuação. Criou um Comitê de Sustentabilidade, com o objetivo de tornar transversal a tomada de decisão sobre o tema; e uma Gerência de Sustentabilidade, responsável por intensificar a relação com a sociedade e tratar corporativamente temas como barragem de resíduos, segurança, meio ambiente e saúde. A conquista do ano para a companhia, nesse sentido, foi a obtenção da certificação internacional Aluminium Stewardship Initiative (ASI), que define padrões e melhores práticas globais para o desempenho de sustentabilidade na indústria do alumínio.

Com ela, a CBA tornou-se a primeira produtora de alumínio nas Américas a certificar, ao mesmo tempo, três unidades de minerações e uma planta industrial, totalmente integrada (desde a mineração de bauxita até o produto final), incluindo todos os tipos de produtos, assim como o escritório em São Paulo, nas categorias Padrão de Performance e Cadeia de Custódia.

Em relação às barragens, a CBA possui duas para armazenamento de água, duas para rejeitos e duas para resíduos industriais, distribuídas nas unidades de Alumínio, em São Paulo, Itamarati de Minas e Miraí, em Minas Gerais, e Niquelândia, em Goiás. Em 2019, a companhia promoveu, nas unidades de São Paulo e Minas Gerais, simulados programados de segurança, envolvendo diversas instituições municipais, além da população local, com o objetivo de exercitar a evacuação de pessoas em eventuais situações de emergência. Todas as unidades seguem as diretrizes do Sistema Integrado de Gestão da Segurança de Barragens, adotado pela CBA para garantir a integridade física de suas barragens, bem como possuem um Plano de Segurança de Barragens (PSB) e um Plano de Atendimento a Emergência (PAE).

Em linha com sua estratégia de longo prazo para o Negócio de Transformados, a companhia anunciou a aquisição da operação da Arconic Inc. em Itapissuma, em Pernambuco, com uma capacidade produtiva de 50 mil toneladas/ano entre folhas e chapas de alumínio. A unidade localizada no Nordeste brasileiro irá ampliar a linha de produtos laminados da CBA, contribuindo para melhorar a competitividade da indústria nacional frente aos produtos importados. A operação foi concluída em fevereiro de 2020.